Atualizado em 30/08/2022 11:24 por Éter 7 News
Início Negócios Quando debater ou não debater com alguém?

Quando debater ou não debater com alguém?

Autora de best-seller, Maytê Carvalho, dá dicas sobre quando debater ou não com alguém

São paulo, agosto de 2022 –  Um debate tende a ser um momento em que os nervos estão à flor da pele e que, por diversas vezes, acaba culminando em ofensas e inimizades. No entanto, um debate também pode ser uma oportunidade de adquirir conhecimento, através do diálogo e da argumentação de maneira civilizada e organizada. Por isso, é importante analisar os melhores momentos para debater, não existe necessidade de participar de um debate infrutífero. Para se ter ideia, uma pesquisa deste ano do BTG, indicou que 53% dos eleitores acreditam que não faz diferença se um candidato comparece ou não aos debates eleitorais.



Esse número é fruto de uma crescente descrença no poder dos debates. Segundo, Maytê Carvalho, a escritora, professora, comunicóloga e autora do livro “Ouse Argumentar: Comunicação assertiva para sua voz ser ouvida”. ”Num mundo ideal, nós conseguimos dialogar com pessoas de sentimentos e ideias dos mais diversos. Seria possível abrir campos de discussão com qualquer um, sem treta, sem xingamento, sem falácia, sem se sentir ameaçada. O problema é que a realidade é muito mais complicada, e há brigas que não cabe a nós – porque, como vimos no capítulo anterior, estabelecer limites é essencial para ousar argumentar”, relata.

Erros gerados por falhas na comunicação percorrem a história, mostrando a atemporalidade da importância de uma boa forma de se comunicar. “Conta-se que Cassandra, filha de Príamo, o rei de Tróia, após um desentendimento com o deus Apolo, foi amaldiçoada: ninguém nunca mais iria entender o que ela dizia, sendo condenada a ser vista como louca. Por isso, quando ela passou a avisar ao seu pai e irmão, Heitor, que Tróia estava condenada à destruição, ninguém deu ouvidos – porque ninguém a entendeu. Muitas vezes, no processo de comunicação, nos sentimos verdadeiras Cassandras. Até sabemos usar a nossa voz, mas falamos A e o povo entende B”, conta a comunicóloga.


Quando não debater

Em meio a tamanha crise do diálogo, entender os momentos certos de entrar em debates é essencial, embora seja importante ter sua voz ouvida, em um mundo cada vez mais polarizado é importante saber “comprar as brigas” certas. “Nem sempre a gente tem uma opinião formada sobre um assunto, porque nem sempre sabemos sobre o que está sendo discutido. Eu sei muitas coisas, mas principalmente sei que não sei tantas outras”, explica Maytê.

Por isso, é importante compreender que não podemos saber de tudo e reconhecer as próprias vulnerabilidades. “Essa dificuldade é resultado da vulnerabilidade – uma palavra da moda, hype nos documentários da Netflix, em palestras corporativas, em livros best-seller. É tão lindo ler que é “preciso transformar vulnerabilidade em potência”. Tão lindo quanto difícil de pôr em prática”, mostra a escritora.

Existem, também, pessoas com quem não se deve debater, os debates devem ter o objetivo de adquirir conhecimento ou chegar a alguma conclusão, um debate sem propósito essencialmente não tem utilidade. “Com quem não estiver disposto a escutar. A argumentação não é um jogo de comparação. Relações são uma profunda exploração e expressão de nós mesmos e um convite para que outros possam fazer o mesmo conosco. Esperar que o outro viva, pense, experimente e seja da mesma maneira que nós ou de quem está no nosso entorno imediato é desastroso, porque não dá espaço para que os outros se mostrem, se revelem, surpreendam e nos toquem”, indica Carvalho.

Para isso, é importante identificar os diferentes tipos de perfis em um debate. “Adam Grant separou os debatedores em 5 categorias: o cientista, que é considerado o melhor estilo de debatedor, parte do princípio de que pode estar errado e busca conhecimento com o debate, o pensador crítico, que procura os diferentes pontos de vista em um tema, depois disso cria sua opinião, o “do contra”, que sempre procura falhas e brechas na argumentação do outro, o político, que apoia incondicionalmente sua visão e ataca os demais que discordam, por fim, temos o líder de culto, que acredita na verdade absoluta de seu lado, apelando algumas vezes para o divino”, enumera.

Como evitar a ansiedade   

É comum sentir ansiedade antes de um debate, para isso existem algumas técnicas para manter a calma antes de uma discussão importante. “Ter o acompanhamento de um fonoaudiólogo ajuda a articular seus pensamentos e poder ser ouvido. A postura também tem grande impacto, não apenas estético, uma vez que uma boa postura pode facilitar a clareza da voz. Trabalhar a respiração também é importante, além de também impulsionar a voz, a respiração é um bom meio de acalmar a ansiedade para um bom debate”, recomenda a autora.

Por fim, deve-se entender que a comunicação é um diálogo, que sempre ocorre entre pelo menos dois agentes, logo é fundamental entender que vão haver discordâncias. “A comunicação nunca é 100% clara, óbvia e transparente. A comunicação é, antes de mais nada, uma expectativa. Mesmo quando conseguimos nos fazer entender, sempre tem alguma coisinha que não é exatamente bem compreendida. A boa notícia é que esses ruídos são oportunidades de aprendizado”, finaliza Maytê Carvalho.

Leia também:

Sobre Maytê Carvalho

Escritora best-seller “Persuasão – como utilizar a retórica e a comunicação persuasiva na sua vida pessoal e profissional”. Fellow researcher no Instituto de Tecnologia e Inovação de Berkeley Global Society. Professora na ESPM e na Casa do Saber.Diretora de estratégia de negócios na TBWA Los Angeles (uma das 5 maiores agências de publicidade do mundo), na Califórnia.

O Aprendiz – vencedora da edição especial e participante na edição o Retorno. Acumula também experiência como empreendedora, tendo sido eleita top 6 empreendedoras mulheres do Brasil pela Revista GQ com seu app Beleza de farmácia, que também alcançou o posto de número #1 na AppStore. Conquistou investimento para a sua startup com Camila Farani, no Sharktank. No instagram e no Youtube, compartilha conteúdo inteligente e acessível sobre Comunicação, Marketing e Vendas para seus mais de 74 mil seguidores.

Siga-nos no Google News:

Mais sobre:

Relacionados:

Deixe um comentário