Atualizado em 03/08/2022 13:59 por Éter 7 News

Início Negócios Ouse Argumentar: 6 dicas de como fazer a voz da mulher ser escutada
Maytê Carvalho, destaque. Foto: Divulgação.

Ouse Argumentar: 6 dicas de como fazer a voz da mulher ser escutada

Maytê Carvalho, destaque. Foto: Divulgação.

Saber usar sua própria voz para debater e argumentar não é uma tarefa fácil, seja no trabalho ou na vida pessoal; a escritora do livro recém-lançado Ouse Argumentar: Comunicação assertiva para sua voz ser ouvida, professora e comunicóloga, Maytê Carvalho, esclarece a melhor forma de se tornar uma boa argumentadora

São Paulo, agosto de 2022 – Seja no mundo dos negócios ou na vida pessoal, a comunicação entre as pessoas têm se tornado cada vez mais essencial. Quando falamos de negócios, um dos principais requisitos para se tornar um bom líder é saber argumentar. De acordo com um estudo realizado pela Gallup, empresa global de pesquisas, os líderes respondem por, pelo menos, 70% da variação nas pontuações de engajamento dos funcionários. Isso demonstra, ainda mais, a necessidade de saber conversar com as pessoas para se tornar um bom líder. O que acontece muitas vezes é que, de acordo com um estudo do jornal britânico Sunday Times, as pessoas têm mais medo de enfrentar uma plateia e falar em público do que de doenças e da morte.


Saber conversar e argumentar nos negócios já é uma tarefa difícil, e essa dificuldade pode se tornar ainda maior quando são mulheres em posições de liderança. A posição da mulher na argumentação é o principal foco do livro “Ouse Argumentar: Comunicação assertiva para sua voz ser ouvida”, da escritora, professora e comunicóloga, Maytê Carvalho. “Eu acredito que argumentar e defender com clareza suas ideias é a chave do sucesso em qualquer campo. Na parede do escritório de um dos homens mais ricos do mundo, Warren Buffet, o único diploma que ele mantém pendurado é um certificado de vencedor de uma competição de debate e oratória. Isso diz muito. É com a força da nossa voz que conseguimos transmitir nossas ideias e convicções”, diz. 

O que acontece é que, na maioria das vezes, o poder da fala não é dado da mesma maneira para todos nós.

“Para alguns, o poder da fala é ensinado como símbolo de poder, conquista e domínio. Outros são ensinados a se calar assim que aprendem a falar, são tidos como geniosos, insubordinados, difíceis – isso se aplica inclusive, e sobretudo, às mulheres. Para nós, abrir a boca – quiçá argumentar, defender ideias e ideais – se torna sempre um ato de rebeldia e irreverência. Precisamos aprender a argumentar, usar da potência das palavras para conquistar o que deseja na sua vida pessoal e profissional”, entende a escritora.

Para entender a importância da argumentação e como implementar esse hábito na sua vida, a especialista lista as principais dicas.


Confira:


Tabela de Conteúdos


1. Entenda a importância da argumentação

“É importante saber que a argumentação não servirá somente no aspecto profissional, mas no pessoal também. No mundo dos negócios vendemos nossas ideias e projetos todos os dias para parceiros, fornecedores e líderes. Damos e recebemos feedback. Isso diz muito sobre a importância de sabermos veicular nossas ideias e ideais de uma forma clara e convincente, mas não somente no ambiente profissional, mas principalmente pessoal”, completa a especialista.

2. Estude sobre argumentação

“Tudo na vida se aprende estudando e com a argumentação não é diferente. Existem vários pontos que devem ser entendidos para que as pessoas comecem a entender como argumentar e qual a melhor forma de debater. É bom conhecer os tipos de argumentadores e debatedores como, por exemplo, o polarizador que é quando a pessoa desconsidera o espectro de possibilidades e busca respostas simplistas para problemas complexos. Temos também o tipo solipsista, que é aquele que justifica suas opiniões pautadas apenas na sua experiência de vida pessoal, sem considerar dados e fatos sociais; o passivo-agressivo, que insinua uma ataque pessoal, mas deixa em aberto o ataque; e o abusivo, que intercala sedução com intimidação, estabelece ultimatos (ou isso ou aquilo)”, explica.

3. Deixe a timidez de lado

“Sabemos que é muito comum as pessoas não argumentarem por timidez ou vergonha, especialmente as mulheres e minorias que tiveram suas vozes silenciadas por muito tempo em suas socializações. Existem diversos insights e exercícios práticos para que as pessoas possam quebrar essa barreira como, por exemplo, a psicodinâmica vocal – que é o impacto psicológico que a qualidade vocal das pessoas pode causar nas outras. A questão é que, ao descobrir sua voz e se apropriar da sua capacidade retórica, é possível sublimar o medo de argumentar e debater com outras pessoas”, entende.

Leia também:


4. Foque na escuta

“Existem diversas maneiras de se tornar um bom argumentador e uma delas é ter uma escuta ativa, empatia e disponibilidade em ouvir opiniões diferentes e estar disposto a mudar de opinião. Não ter um fetiche com os seus argumentos e visões de mundo, crenças pessoais ou dogmas. Em um mundo em que muitos se pautam nos achismos, ouse defender de forma lógica seu ponto de vista. Ouse questionar. Ouse debater. Ouse expressar sua visão de mundo, apropriando-se do poder das palavras em alto e bom som. É necessário saber e entender que sua voz importa, e será ouvida”, defende a escritora.

5. Saiba se adaptar

“Viver em uma era digital transforma a forma como nos comunicamos com os outros, então é importante saber se adaptar para saber argumentar da melhor forma com quem está ouvindo. Meio e mensagem andam de mãos dadas e a nossa capacidade cognitiva de reter atenção cada vez mais diminui. Seja conciso no seu argumento, defenda-o com lógica, paixão e credibilidade e adapte-o ao veículo e audiência para quem você fala seja em 15, 30 ou 60 segundos”, complementa.

6. Não se deixe ser silenciada

“Em alguns momentos, é comum que os debates terminem em ofensas e tons de vozes elevados. Nesses casos, é importante pedir um tempo e continuar a discussão em outro momento. Não podemos confundir tempo-limite com tratamento de silêncio. O primeiro é empático, o segundo é perverso. São utilizados por narcisistas como forma de punir e constranger o outro. Além disso, é necessário ficar atento a como as pessoas podem utilizar da argumentação a seu favor. Muitos manipulam o interlocutor com falácias e ultimatos como, por exemplo, a falácia do ataque pessoal ou do apelo à misericórdia. É preciso estar atento e vigiar como nós falamos com os outros e como os outros falam conosco. Toda fala revela dinâmicas invisíveis de poder e de influência”, conclui Maytê Carvalho.

Sobre Maytê Carvalho

Escritora best-seller “Persuasão – como utilizar a retórica e a comunicação persuasiva na sua vida pessoal e profissional”. Fellow researcher no Instituto de Tecnologia e Inovação da Berkeley Global Society. Professora na ESPM e na Casa do Saber. Chief Growth Officer na Cubo em Nova York, agência da Pepsico, Unilever e Spotify. O Aprendiz – vencedora da edição especial e participante na edição o Retorno. Acumula também experiência como empreendedora, tendo sido eleita top 6 empreendedoras mulheres do Brasil pela Revista GQ com seu app Beleza de Farmácia, que também alcançou o posto de número #1 na AppStore. Conquistou investimento para a sua startup com Camila Farani, no Shark Tank. No instagram e no Youtube, compartilha conteúdo inteligente e acessível sobre Comunicação, Marketing e Vendas para seus mais de 74 mil seguidores.

Siga-nos no Google News:

Relacionados:

Deixe um comentário