Estudo brasileiro acompanhou 900 voluntários de forma remota durante cinco meses. A maior parte relatou sentir as horas passarem mais devagar nos primeiros meses da quarentena – fenômeno que se mostrou associado à solidão e à falta de experiências positivas no período. (Foto: S. Hermann & F. Richter/Pixabay).

Estudo brasileiro acompanhou 900 voluntários de forma remota durante cinco meses. A maior parte relatou sentir as horas passarem mais devagar nos primeiros meses da quarentena – fenômeno que se mostrou associado à solidão e à falta de experiências positivas no período. (Foto: S. Hermann & F. Richter/Pixabay).



Estudo brasileiro acompanhou 900 voluntários de forma remota durante cinco meses. A maior parte relatou sentir as horas passarem mais devagar nos primeiros meses da quarentena – fenômeno que se mostrou associado à solidão e à falta de experiências positivas no período. (Foto: S. Hermann & F. Richter/Pixabay).

Leia também:

Deixe um comentário