Curitiba oferece transporte específico para profissionais de saúde

Estações Tubo na Praça Rui Barbosa, em Curitiba. Foto: © Paulo Victor Chagas/Agência Brasil.

Atualizado em 07/07/2020 18:31 por Éter 7 News

Cerca de 9,5 mil profissionais da área usam a linha diariamente

A prefeitura de Curitiba disponibilizou uma linha específica para trabalhadores da saúde durante a pandemia. O intuito é proteger os profissionais de saúde, evitando o contato com outros cidadãos durante o deslocamento até as unidades de saúde. Diariamente, 9,5 mil trabalhadores da área utilizam o transporte na capital paranaense.

Podem acessar os ônibus não somente empregados de carreiras típicas de saúde – como médicos, enfermeiros, fisioterapeutas e técnicos de enfermagem – como trabalhadores em atividades de apoio aos serviços de saúde, como limpeza, alimentação e atendimento administrativo. Para isso, devem apresentar documentação que confirme a ocupação aos fiscais instalados nas estações.

A linha faz apenas um trajeto, do Terminal Rodoviário Pinheirinho até a Praça Rui Barbosa. Segundo Companhia de Urbanização de Curitiba – Urbs, a escolha da linha se deveu ao fato das regiões cobertas pelos locais do trajeto contarem com diversos estabelecimentos de saúde, como hospitais, clínicas e Unidades de Pronto Atendimento (UPAs).

Segundo Ogeny Maia Neto, presidente da Urbs, foi feito um estudo cruzando dados do cartão transporte com documentos para traçar o perfil do usuário por hora e tipo de atividade. Foi identificado que durante a pandemia o segundo tipo principal de profissional foram profissionais da saúde.

Foram então iniciadas medidas específicas, com a preferência nos embarques nos ônibus no transporte público, pois há limitação de capacidade. No dia 26 de junho, passou a funcionar a linha específica.

“Como verificamos boa demanda criamos linha especial. Há um embarque às 6h e outro às 7h. São os horários onde mais profissionais de saúde entram. O retorno é às 18h e 19h. Temos um pico que poderá ser estendido para 17h, mas vamos avaliar se há demanda”, explica o presidente da companhia responsável.

Fonte: Agência Brasil.

Relacionados

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *